Uber teria ignorado alertas de segurança antes de acidente com carro autônomo

Uber teria ignorado alertas de segurança antes de acidente com carro autônomo

Um engenheiro que trabalhou nos testes de carros autônomos da Uber veio à público para acusar a empresa de ignorar alertas e sugestões relacionadas a segurança, além de demorar para abordar acidentes e outras falhas ocorridas durante os experimentos. As declarações, publicadas na imprensa americana, vêm apenas dias depois de a companhia retomar seus testes com veículos que se dirigem sozinhos, interrompidos após um acidente fatal ocorrido em março deste ano.

De acordo com Robbie Miller, que foi gerente do time de operações relacionadas aos testes, uma série de e-mails com sugestões e indicações de falhas nos sistemas foram enviados aos executivos da Uber. Em um deles, o especialista era claro em dizer que os problemas eram os responsáveis pelos acidentes e danos causados pelos carros, indicando o operador humano, a plataforma de inteligência artificial, ou ambos, como os causadores. Nenhuma resposta teria sido recebida.

Em uma das comunicações, enviada apenas dias após o atropelamento com morte que motivou a interrupção dos testes, Miller sugere mudanças nas dinâmicas dos experimentos em prol da segurança. Entre as ideias estariam uma redução no tamanho da frota autônoma e a colocação de mais de um motorista humano em cada carro, além de mais autoridade a funcionários para que interrompam a circulação dos veículos caso detectem falhas. Novamente, as mensagens teriam sido ignoradas e o especialista deixou a empresa três dias depois.

A mensagem foi enviada após um incidente ocorrido na cidade de Pittsburgh em que um carro da Uber saiu do controle inesperadamente, deixando a estrada e subindo na calçada, andando nela por alguns metros. Ninguém ficou ferido e apenas o próprio veículo acabou danificado, o que levou Miller a afirmar a seus superiores que a empresa “não poderia continuar trabalhando desta maneira”.

 

Os relatos do engenheiro também trazem indícios de negligência quanto a análise de acidentes que já haviam ocorrido. De acordo com Miller, a Uber teria levado mais de duas semanas para começar a analisar os relatórios operacionais relacionados a um acidente ocorrido no final de 2017, quando um carro autônomo quase bateu em outro durante os testes.

A Uber não comentou as declarações do engenheiro, mas afirmou estar comprometida com a segurança ao retomar seus testes com carros autônomos. Além disso, a companhia afirmou conhecer sua responsabilidade quanto à segurança dos motoristas e pedestres e citou contratações recentes de especialistas em segurança no trânsito e mobilidade urbana como prova disso.

Fonte: The Information