Como os carros autônomos transformarão a vida das pessoas?

Como os carros autônomos transformarão a vida das pessoas?

Os carros autônomos não só ajudarão a reduzir acidentes de carro e aumentar a produtividade, mas diminuirão drasticamente o congestionamento.

As pessoas gostando ou não, os carros autônomos estão a caminho e muitos, inclusive, já estão em fase de teste ao redor do mundo. De acordo com o Business Insider, a maioria das montadoras se comprometeu a disponibilizar seus sistemas semi-autônomos até 2020, e muitos especialistas do setor preveem que apenas alguns anos depois disso, os carros totalmente autônomos andarão normalmente pelas ruas.

Frente a essas perspectivas, João Paulo Navarro, arquiteto de soluções da NVIDIA, acredita que, no momento em que uma sociedade ter toda a sua força de mobilidade voltada para os veículos autônomos, ela será beneficiada em diversos sentidos. Segundo a Organização Mundial da Saúde, por exemplo, até 2023, cerca de 2,2 milhões de pessoas irão morrer a cada ano em consequência de acidentes de trânsito – no entanto, os carros sem motoristas, de acordo com Navarro, serão os únicos capazes de reduzir drasticamente o número de acidentes. “Se você tem todos os veículos na estrada, dirigindo de maneira autônoma, você reduz risco de acidentes causados pelo sono, perda de controle e ultrapassagem perigosa”.

Além disso, os veículos são construídos para otimizar a eficiência na aceleração, frenagem e variação de velocidade, fatores que ajudariam a aumentar a eficiência de combustíveis e reduzir as emissões de carbono. Com a implementação dos carros autônomos, um dos grandes beneficiados também seriam as próprias pessoas –  segundo a McKinsey, o tempo mundial poupado todos os dias pelos carros sem motorista podem totalizar até um bilhão de horas, o que também pode aumentar a produtividade e eficiência.

Os carros autônomos não só ajudarão a reduzir acidentes de carro e aumentar a produtividade, mas diminuirão drasticamente o congestionamento. De acordo com um relatório da KPMG, os veículos poderiam aumentar a capacidade das rodovias em até 500%, o que é sinônimo de menos tráfego e menos tempo desperdiçado. “Com os carros autônomos, é possível fazer o controle de tráfego porque os carros podem se comunicar e definir rotas mais inteligentes, bem como qual a velocidade adequada para andar em determinada via. Tudo isso evitaria o congestionamento”, explica Navarro.

Segundo Navarro, além de impactar a vida dos indivíduos em nível pessoal, os carros autônomos também vão influenciar outras esferas da sociedade. “O comércio e a indústria podem se beneficiar desses carros e, o transporte de cargas, por exemplo, é um setor que pode ser otimizado pelo uso desses sistemas autônomos ao ter seu custo reduzido”. Porém, por outro lado, essas tecnologias substituirão a mão de obra dos caminhoneiros – que terão que ser requalificados em profissões que ainda não existem.

Os carros autônomos no Brasil

Mas antes de implantar a tecnologia em grande escala, é preciso resolver fatores relacionados à legislação, infraestrutura e tecnologia. De acordo com um estudo da KPMG, o Brasil ficou em 17º lugar no ranking de aptidão para receber os carros autônomos, que contava com 20 países, no qual Holanda, Singapura e Estados Unidos ficaram com as três primeiras posições.

Apesar das dificuldades estruturais que o país enfrenta, já existem hoje no Brasil diversos projetos envolvendo a construção de carros autônomos. É o caso do Iara (Intelligent Autonomous Robotic Automobile), um projeto da Universidade Federal do Espírito Santo que fez um veículo autônomo brasileiro trafegar em vias urbanas e em rodovias sem intervenção humana. Ao todo, foram 74 km percorridos entre o campus de Goiabeiras, em Vitória, e a praia de Meaípe, em Guarapari, em 105 minutos.

 

 

“No caso da UFES, o carro que circula dentro do campus da universidade está no nível 5 de automação, ou seja, ele é 100% autônomo”, explica Navarro. Porém, de acordo com o arquiteto da NVIDIA, ainda serão necessários de 5 a 10 anos para que um projeto envolvendo carros autônomos saia do meio acadêmicos e seja implantado em larga escala no país.

Não podemos ignorar essa tendência: os carros autônomos são o futuro da mobilidade. Para falar sobre o assunto, João Paulo Navarro, que é arquiteto de soluções da NVIDIA, palestrará no Mobility Day, um evento sobre as principais inovações e disrupções da mobilidade urbana. Não perca!

Fonte:https://conteudo.startse.com.br