Hugo Leal: Motoristas profissionais merecem tratamento igualitário - FENASDETRAN - Federação Nacional das Associações de DETRAN

Hugo Leal: Motoristas profissionais merecem tratamento igualitário

Fiscalização, muitas vezes, pune excessivamente profissionais que dependem da atividade para seu sustento

A aplicação de multas de trânsito, sobretudo nos grandes centros urbanos, tem se tornado uma rotina na vida dos motoristas. A fiscalização, ainda que tenha meritórios fins de coibir e educar, acaba muitas vezes punindo excessivamente profissionais que dependem da atividade para seu sustento.

PUBLICIDADE

inRead invented by Teads

Na intenção de proteger os condutores que exercem atividade remunerada, habilitados nas categorias C, D ou E (motoristas de vans, ônibus, caminhões e carretas), a Lei 13.154/2015 trouxe alterações importantes ao Código de Trânsito Brasileiro.

Uma dessas alterações é a convocação do condutor para participar de curso preventivo de reciclagem sempre que, no período de um ano, atingir 14 pontos. A medida pretendia dar oportunidade ao motorista profissional para que ele não fosse penalizado com a suspensão do direito de dirigir.

Posteriormente, a convocação do condutor estava criando dificuldades para o exercício do benefício que se pretendia conceder a esses motoristas profissionais, não restou alternativa senão alterar novamente o CTB: a participação no curso passou a ser opção do condutor e não mais uma convocação do órgão de trânsito. Assim, os motoristas profissionais habilitados nas categorias C, D e E, ao atingirem quatorze pontos na carteira, podem requerer a realização do curso preventivo de reciclagem, sem depender da iniciativa do Detran.

A nova legislação foi comemorada pelos motoristas profissionais porque, agora, podem evitar ficar afastados por seis meses de suas atividades cotidianas e ter suas perdas salariais minimizadas. E também pelas empresas de transporte, que não precisam ficar muito tempo sem o serviço daquele trabalhador.

No entanto, as categorias A e B acabaram ficando de fora da nova regra - o benefício não atingiu a mototaxistas, motofretistas, taxistas e outras categorias profissionais. Na realidade, por ficarem mais tempo no trânsito e sofrerem constantes pressões para chegar mais rapidamente a seus destinos, esses trabalhadores ficam ainda mais sujeitos às autuações de trânsito do que as demais categorias profissionais.

Por todos esses motivos, resolvi elaborar o Projeto de Lei 9915/18, para propor alteração no § 5º do art. 261 do Código de Trânsito Brasileiro, a fim de incluir os condutores que exercem atividade remunerada ao veículo, habilitados nas categorias A e B, entre os que poderão realizar o curso preventivo de reciclagem.

Estou certo que a nossa iniciativa dará tratamento igualitário para todas as categorias de motoristas profissionais. Assim, milhares de trabalhadores continuarão desempenhando suas atividades tranquilamente e garantindo o sustento de suas famílias.

Estratégias como esta - para a manutenção do emprego e a geração de renda - sempre terão o meu apoio no Congresso Nacional. Neste caso, trata-se de uma questão de justiça e de isonomia entre os profissionais do transporte. É preciso dar tratamento diferenciado para aqueles que vivem desse ofício em relação aos que fazem uso dos seus veículos apenas para fins particulares.

https://odia.ig.com.br